sábado, 13 de dezembro de 2014

13 de Fevereiro de 2013


Hoje é dia 13 de Fevereiro e eu me visto de preto e vermelho…
O segundo passo dessa caminhada, em uma quarta-feira de cinzas,
Escrevo estas linhas a caminho de casa, estou voltando de Mogi agora. 
Para trás, deixo meu amor dormindo em seu quarto. Busco me esquentar neste vagão barulhento, mesmo no verão o caminho de volta é frio. 
O fim da alegria, o fim da folia nas ruas, em um dia 13. Esqueçam as tradições católicas, o que todos buscam lá fora é o ultimo suspiro de uma mágica de carnaval, que eu não sei se existe, ou se as pessoas fingem existir.
Ou será que fingir faz a verdade? A todo momento buscamos motivos para nos permitir felicidade. 

Mesmo que ela seja uma ilusão.
Sei que eu, não busco ilusões, para mim, a felicidade não é magia, é ciência/consciência.

Tenho total consciência que encontrei a felicidade no nosso abraço, em nosso beijo, em nossas conversas. Deixei e levei comigo, saboreando e relembrando cada momento dessas pequenas alegrias, em um colorido 13 de cinzas.
Um dia que poderíamos ter passado em qualquer lugar, com quaisquer outras pessoas, mas passamos juntos cultivando nosso sentimento.

Neste dia, em outros tempos, pessoas negavam que a terra não era o centro do universo, reis executaram suas rainhas, rios enormes eram recém adicionados em cartografias, a terra tremia em protesto, levando muitos a morte sob as frágeis construções humanas; Em nome do poder, cidades foram bombardeadas, novas armas de destruição foram testadas. Em nome de quem?
O 13 alterna verdades e mentiras.

E eu aqui, desejo mais "trezes" cultivando a felicidade em pequenas coisas, como hoje. 

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

13 de Janeiro de 2013


Hoje é dia 13 de Janeiro de 2013 e eu me visto de preto e vermelho...
Inicio hoje esta pequena jornada, em um domingo cinza. O plano é repetir o ritual de mês em mês.
Um dia agradável de começo de ano. Estranhamente frio e nublado, uma garoa fina esteve lá fora.
Estive em uma festa de alguém que amei, (que amo, talvez), e esses momentos me fazem pensar: o que ainda existirá do hoje, quando o amanhã chegar?
Dos muitos rancores não guardo nenhum, das muitas alegrias guardo saudade.
Neste dia, meu preto foi escudo, manto de lembranças, o meu vermelho foi de amor, de amizade.

Andei por caminhos que a muito não andava, vi pessoas que a muito não via. O gosto do reencontro marca esse meu dia 13. Um dia de sorte sem dúvida.

Neste dia, em outros tempos, iniciaram revoltas, fizeram tratados, greves de fome. Entre náufragos e solitários suplicando uma mão estendida, o 13 alterna tristezas e alegrias.

E eu aqui, desejo mais "trezes" como o meu de hoje. Bom 2013 a todos.